segunda-feira, 2 de março de 2009

QUARESMA, TEMPO DE TRAVESSIA...


A TRAVESSIA...


Estamos vivendo o tempo da Quaresma, tempo de travessia, de nos retirarmos ao nosso deserto interior e nos abrirmos às inspirações de Deus para nossas vidas. Eis o tempo de revisar os nossos valores, a nossa postura diante dos obstáculos e problemas deste mundo, rever os critérios que usamos para tomar as nossas decisões.
Nesta busca, com certeza, nos encontramos de frente com os nossos afetos desordenados, nossas confusões, desequilíbrios e pecados. É neste momento que devemos fazer “aquela faxina” e jogar fora todo “lixo espiritual” que foi acumulado no decorrer do tempo. Isto tudo porque a vida do homem deve transcender as necessidades materiais e os seus desejos puramente humanos. Deve abrir-se para ir além, elevar-se mais e enxergar a dinâmica da vida espiritual que tudo move em nossas vidas.
Este é o momento de passagem de “eu estreito” para o “eu de horizontes amplos”, da transformação do velho no novo. No novo homem que não mais se satisfaz com as coisas do mundo e quer mais, muito mais...
Para tudo isto, precisamos de um olhar profundo, sincero e vigilante sobre nós mesmos, de tomar consciência de quem somos e de qual direção devemos tomar, qual caminho seguir. Agora é a hora de buscar o ânimo para fazer esta travessia que traz a promessa e a esperança de uma vida nova, repleta da graça de Deus.


ENCARANDO NOSSOS DESEQUILÍBRIOS...


Como é difícil encarar as nossas próprias confusões!! Quantas vezes nos julgamos donos da verdade e não percebemos o quão equivocados nos encontramos!!! Os nossos pecados (descontrole, desequilíbrio, ou como você quiser chamar) entram pelos nossos olhos, se colocam em nosso coração, saem pela nossa boca e se manifestam pelas nossas ações.
Deus fez o mundo para o homem com toda sua riqueza e beleza e sabia que tudo era bom. Devemos saber desfrutar do prazer de estar neste mundo, pois em todas as nossas escolhas corremos o risco de transformar algo que é bom em algo mau, em obsessão, em dependência.
Quando o desejo e o prazer estão em desequilíbrio e descontrole, se tornam compulsão e pecado. O vinho se torna causa de embriaguez, o alimento conduz à gula, o sexo se transforma em devassidão, a razão se torna orgulho, a auto-confiança vira prepotência, o ardor pode conduzir à ira. Tudo isto cria em nós um coração endurecido, prepotente, cheio de preconceitos e atrofiado nos sentimentos de solidariedade, compreensão e tolerância.
É importante pensar que até os desequilíbrios e problemas do meio ambiente no mundo atual estão diretamente ligados ao desequilíbrio do coração do homem. O próprio aquecimento global é reflexo da ambição desmedida do ser humano.
Então, devemos encontrar a medida certa... e como isto é complicado!!


DEVEMOS ENCONTRAR NOSSA “ASCESE”...


A nossa vitória contra todo este descontrole está em sermos cheios do mais singelo e puro amor que Deus nos mostrou, através de Jesus em sua tão breve e expressiva passagem pelo nosso planeta Terra. Somente o amor que Jesus nos fez provar é capaz de dar sentido aos nossos dias e renovar nosso ânimo a cada manhã. Parece simples demais, nós é que complicamos um pouquinho!!
Para nos enchermos deste amor devemos buscar nossa ascese, isto é, uma maneira de esvaziar-nos, de nos desapegar para criar espaço ao outro e viver a verdadeira comunhão. A ascese nos livra de pré-conceitos, nos capacita para a compreensão e escuta do outro, nos dá a liberdade das coisas deste mundo e nos permite ser menos nós e muito mais Deus em nós e no outro.
O tempo da quaresma é propício para isto. Fazer a travessia pela “porta estreita”, nos esvaziarmos das próprias necessidades, desejos e compulsões, para enxergar o outro e, principalmente, enxergar a Deus no outro.
Existem algumas práticas para que tudo isto possa acontecer em cada um, no âmago de nosso ser.


TEMPO PARA A VIVER A FRATERNIDADE...


No ano de 2009, a Campanha da Fraternidade vem com o lema: “A Paz é Fruto da Justiça” (Is 32, 17)...”somente a justiça gera a paz”.
É de caráter urgentíssimo a promoção de uma cultura da paz “nas pessoas, na família, na comunidade e na sociedade, a fim de que todos se empenhem efetivamente na construção da justiça social que seja garantia de segurança para todos”.
Viver o clima desta campanha nos leva a refletir sobre o quanto estamos promovendo a paz no nosso dia a dia. Não podemos pensar somente naquela paz almejada para as nossas ruas, não podemos focar somente no desejo de viver momentos de menos violência. Precisamos rever a paz que habita (ou não) o nosso interior...a paz que faz parte (ou não) do nosso cotidiano. Necessitamos entender o quanto depende das nossas atitudes, o quanto faz parte da nossa responsabilidade a promoção dessa paz!!
Paz que deve começar dentro da nossa casa, da nossa família, no nosso ambiente de trabalho, na comunidade religiosa que frequentamos...paz que gera a paz!
Este é o momento de jogarmos fora muito “entulho espiritual” para que possamos “polir o espelho das nossas almas” e enxergarmos o que precisamos ver de forma imprescindível. Não temos muito tempo, não pode ser para depois, é uma questão de sobrevivência do humano!!! É uma questão de vida!!!


TEMPO PARA A ORAÇÃO E PARA A CONTEMPLAÇÃO...


Quando nos desligamos da fonte de vida começamos a morrer, ficamos esquecidos de Deus. A oração é alimento para nossas almas, sem ela ficamos sem ânimo, vivemos tristes e deprimidos. Mas não devemos esquecer que somente com o coração cheio de amor e perdão nossa oração chega ao céu!! Nunca devemos orar com o coração cheio de maldade ou rancores!!
Na verdade, rezamos para que tomemos consciência do que é necessário para nossas vidas, pois Deus sabe o que precisamos, antes mesmo de pedirmos. A oração é a voz de nossa alma que clama por um sentido maior, que tem sede da água viva que purifica, que tem fome do pão da vida eterna. O ser humano busca incansavelmente a eternidade em tudo o que faz, porém, às vezes, de forma equivocada. Perde-se nos valores humanos e se desvincula do divino. Por isso, devemos orar mais vezes do que respiramos, a oração deve ser permanente, a conexão com Deus é 24 horas por dia.
Porém, muitas vezes ficamos distraídos e envolvidos com as coisas do mundo: o consumo, o conforto, a tecnologia, e esquecemos a nossa conexão com o divino que habita em nós e no outro.
Para reverter esta situação devemos ter um momento diário para buscar o silêncio exterior e interior, o silêncio em nossos pensamentos, a contemplação da palavra. É somente a oração (sem pressa!) de um coração puro que é capaz de se abrir aos tesouros e aos sonhos que Deus tem para cada um de nós. A nossa oração não deve ser feita de palavras repetitivas e vazias, deve ser um diálogo com Deus: perguntamos o que Ele tem para falar ao nosso coração e falamos ao Pai sobre o que vai em nossa alma. A partir da nossa oração um novo propósito de vida deve nascer para cada dia, renovando nossas forças e nossas alegrias em tudo o que vivemos.


TEMPO PARA O JEJUM...


São muitos os tipos de jejum que podemos fazer: o da comida, da bebida, das coisas supérfluas, dos pensamentos, da palavra, entre outros. Segundo a tradição dos Padres do Deserto, o jejum é o meio que a pessoa utiliza para criar um “espaço vazio” no qual o Espírito possa repousar, permitindo-a distinguir o essencial do supérfluo. Portanto, é uma prática de olharmos de forma sincera para nós mesmos e tomarmos consciência dos rumos e transformações necessárias para nossas vidas.
O que mais me toca nesta quaresma é a necessidade do ser humano jejuar a palavra. Quando jejuo a palavra aprendo a escutar o outro e, essencialmente, aprendo a escutar a Deus no outro e em todos os acontecimentos.
Quantas migalhas de nós mesmos estamos oferecendo aos outros, a Deus e até aos nossos corações. Estamos sem tempo e disposição para ouvir a Deus, muito menos para ouvir o outro. A nossa tendência é muito mais falar que ouvir.


“Falemos menos, ou nada, que não sirva para a edificação”.


AS PALAVRAS...AH AS PALAVRAS!!!


As palavras, com certeza, têm um poder que não conseguimos dimensionar. Muitas vezes, e na maioria delas, nos sentimos na obrigação de dar respostas rápidas, imediatas (e vazias) diante dos desafios e problemas que o mundo nos apresenta no nosso dia a dia. É aí que corremos o risco de usar as palavras da forma errada.
Quantas palavras jogamos ao vento neste universo, provocamos uma verdadeira “poluição espiritual”, que traz mal estar para os que conosco convivem. Palavras malditas, maldizentes e desnecessárias... Palavras inspiradas pela ira e impulsividade do homem, que destroem, jogam na lama o que de belo tem a vida humana... Palavras que humilham e matam a alma, a esperança...
Ao mesmo tempo penso: como é difícil ficar calado!! Calado diante das injustiças do homem, diante das diferenças e indiferenças do mundo, diante da crueldade e da intolerância. Como é complicado fazer silêncio quando nossa alma grita cheia de desesperanças e angústias diante das misérias da vida e da banalização do mal em que nos encontramos.


AS PALAVRAS DE AMOR...


Na época em que Cristo esteve conosco os problemas não eram muito diferentes, a vida pouco ou nada valia. A escravidão assolava o ser humano e todos esperavam por um grande guerreiro libertador que lutaria contra o povo romano. No entanto, Jesus, sorrateiramente, entrou nos corações e ensinou-lhes a linguagem do amor, colocou em suas bocas palavras nunca antes pronunciadas. Mostrou o caminho e ensinou sobre as estradas pedregosas do amor incondicional de forma tão simples que poderiam transformar todo sofrimento em uma grande vitória. Ensinou que deveriam expandir suas capacidades de pensar, de abrandar a ira, a agressividade e mostrou como acalmar as águas das emoções em todas as circunstâncias e em tudo falar e fazer com amor infinito.
É isto, meus queridos, no final dessa travessia da quaresma não nos encontraremos com dogmas ou doutrinas, mas com uma Pessoa Humana e Divina, o nosso Jesus que chama por nós. Chama por nós para que sejamos caminhantes, peregrinos em nosso próprio ser. E não nos deixa sós, estamos na companhia do Espírito Santo que tudo pode transformar...
Por isso, deixa que “a aventura de ser gente te envolva”, segue sem receios do que poderá encontrar. Não seja prisioneiro dos seus medos, do seu orgulho, da sua ira...vai lapidando este diamante (que é você), vai aparando as arestas, retirando os excessos e, cada vez mais, você estará perto de um amor infinito.

Que o amor de Deus nos coloque em movimento e que tenhamos uma travessia abençoada!!


Deus abençoe a todos com uma Quaresma repleta de PAZ!!


Abraços fraternos a vocês que fazem a minha travessia repleta de alegria!


Fátima Regina

Um comentário:

Elizete disse...

Oi Re!
Parabéns pela linda mensagem dedicada a "Vó Nêga", é maravilhoso saber que aqui, neste nosso mundo de provas e expiações, existem pessoas como ela: verdadeiros exemplos de Amor, Fé e Sabedoria... Assim, como é muito bom, contar com pessoas sensíveis e amorosas como vc!
Te desejo muitas felicidades!
1000 bjs!
Elizete.